florestas

Floresta dos plátanos, choupos, freixos, faias, salgueiros, olmos, oliveiras, castanheiros, carvalhos, sobreiros, azinheiras, pinheiros bravos e mansos....
Um blog para seres da floresta, do deserto, dos grandes mares, das planícies, das montanhas, dos rios, das rias, das cidades... não acessível a tias!

domingo, maio 07, 2006

Em Arles e na Orelha de Van Gogh

Noite Estrelada

Esplanada de Café na Praça do Forum


Rosie

Eu, Rosie, eu se falasse eu dir-te-ia

Que partout, everywhere, em toda a parte,

A vida égale, idêntica, the same,

É sempre um esforço inútil,

Um voo cego a nada.

Mas dancemos; dancemos

Já que temos

A valsa começada

E o Nada

Deve acabar-se também,

Como todas as coisas.

Tu pensas

Nas vantagens imensas

De um par

Que paga sem falar;

Eu, nauseado e grogue,

Eu penso, vê lá bem,

Em Arles e na orelha de Van Gogh...

E assim entre o que eu penso e o que tu sentes

A ponte que nos une - é estar ausentes.

Reinaldo Ferreira

1 comentário:

f... disse...

Se eu fosse a Rosie e "eu se falasse eu dir-te-ia" (responder-lhe-ia) que se me oferecesse(s) um café nesta magnífica esplanada e depois me convidasse(s) para um passeio sob esta maravilhosa starry night, até eu, Rosie, esqueceria as " vantagens imensas/De um par/Que paga sem falar" e "teria alma" para dançar "outras danças" e construir outras pontes...

:)))

A maior desgraça que pode acontecer a um artista é começar pela literatura, em vez de começar pela vida.
Miguel Torga

procure outras florestas, outras árvores, não hesite...